Quanto as plataformas ganham com fundos de investimento?

Como as plataformas ganham com fundos de investimento?

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Você sabe como as plataformas ganham dinheiro quando você investe em um fundo de investimento? Neste post, vamos explicar como gestores, plataforma e assessores são remunerados pela distribuição de fundos.

Provavelmente você já ouviu falar da taxa de administração. Quando você aplica em um fundo de investimento, seja ele de renda fixa, multimercado ou renda variável, uma parte do dinheiro que você aplicou é descontada para pagar essa tal da taxa de administração.

Não importa se você aplicou R$ 1 mil ou R$ 1 milhão. Também não interessa se o fundo está se valorizando ou dando prejuízo. Essa taxa de administração é fixa e sempre informada no formato de um percentual ao ano sobre o valor investido, por exemplo, 2% ao ano. Todos os dias é separado um pedaço do fundo (provisão), proporcional à taxa anual, para cobrir essa taxa.

Para que serve a taxa?

Mas para que serve a taxa de administração? Para onde vai esse dinheiro?

Como o próprio nome sugere, é uma taxa destinada a cobrir as despesas da administração do fundo, como o cálculo de cotas, a custódia e, claro, a equipe que faz a seleção dos ativos do fundo e que elabora a estratégia de investimento. Mas não é só isso. Na verdade, a taxa de administração também engloba custos de distribuição do produto.

A parte da taxa que fica para cobrir as despesas do fundo e o gestor varia de um terço à metade da taxa cobrada. Ou seja, em uma taxa de 2% ao ano, isso corresponderia a uma faixa entre 0,67 ponto percentual a 1 ponto percentual.

Imagine a taxa de 2% ao ano, em que metade (1%) vá para os custos do fundo. Para onde vai o restante da taxa de administração, o outro 1%? Vai para o que o mercado financeiro conhece como “rebate”. O rebate nada mais é do que uma comissão. E com quem fica essa comissão?

Normalmente, o rebate é dividido entre a plataforma e o assessor de investimentos, que é um profissional especializado em ajudar a cuidar do dinheiro de muitas pessoas, indicando produtos conforme o perfil de cada cliente.

A divisão do rebate não é assim, “bonitinha”, metade para cada um, padronizada. Daquele 1%, não há uma regra que diga que 0,5 fica com a plataforma e outro 0,5 fica com o assessor.

Em geral, há muitas negociações envolvidas aí no meio, entre fundos e plataformas. Em outras empresas, é comum que os assessores fiquem com uma parcela menor do rebate.

Assim como você, os assessores também não ficam sabendo quanto do rebate ficou para a plataforma. Outras empresas de investimento não informam ao assessor o valor da comissão dele. Falta transparência!

Como é na sim;paul?

Aqui na sim;paul, assim como você fica sabendo quanto da taxa de administração foi repassada para a plataforma e o assessor, o assessor também fica sabendo quanto ficou para a plataforma e quanto foi repassado pra ele. Transparência radical para todo mundo.

Alguma outra plataforma já te contou isso até hoje? Certeza que não. E certeza que nenhuma outra te dá pontos com base na receita que você gerou para a plataforma. Esses pontos podem depois ser trocados por ações da sim;paul. Na prática, isso significa que a receita que você gera pra sim;paul volta para você. E o cliente ainda pode participar da valorização da plataforma.

Viu como é importante ter transparência nos custos?

Rentabilidade é importante, mas não adianta nada achar que está ganhando dinheiro sem saber quanto está pagando para investir e quem está ganhando junto com você. Não é errado cobrar pela prestação de serviços. O que é errado é esconder isso de você.

E ainda tem a taxa de performance…

Além da taxa de administração, é comum encontrar em fundos multimercados e de ações um outro tipo de cobrança, a taxa de performance.

Vamos supor que um fundo de ações cobra uma taxa de performance de 20% sobre o ganho do fundo que superar o Ibovespa.

Se no período determinado no regulamento o fundo rendeu 3% e o Ibovespa subiu 2%, então será descontado 20% sobre esse ganho extra de 1% para pagar a taxa de performance. A rentabilidade que você vê já tem as taxas descontadas, inclusive a de performance, quando for o caso.

A rigor, a taxa de performance funciona como um “prêmio” para o gestor quando o fundo vai muito bem e supera uma meta definida.

Você acha que esse “prêmio” vai todo para o gestor?

Assim como acontece na taxa de administração, a taxa de performance também sofre um rateio entre o gestor, o assessor de investimentos e a plataforma. A única diferença é que o pagamento dessa taxa é feito, geralmente, a cada semestre.

Então, quanto da taxa de performance fica para cada um?

Aqui, mais uma vez, falta transparência! Não é, necessariamente, um terço para o gestor, um terço para o assessor e um terço para a plataforma.

Tudo vai depender das negociações de cada gestor com cada plataforma, da mesma forma como acontece com a taxa de administração.

Quanto fica com a sim;paul?

Na sim;paul, abrimos tudo. No documento “transparência sim;paul” você poderá ver, de forma cristalina, quanto da taxa de administração e de performance do fundo em que você investe ficou com a sim;paul. E lembre-se: essa receita é transformada em pontos que depois são trocados por ações da sim;paul. Todo mundo ganha junto.

Valorize a plataforma que dá transparência radical ao mercado de investimentos.

Quer receber o resumo das notícias que impactam seus investimentos?
Se inscreva aqui!